Mindfulness – A Meditação para uma atenção plena*

 

Vamos entender um pouco o que é Mindfulness?  Nos últimos 35 anos a Neurociência tem desenvolvido muitas pesquisas sobre o papel da Atenção Plena e sua relação com o nosso bem estar. Estudos apontam que cerca de 50% do nosso tempo acordado é de desatenção ao que fazemos, ou seja, a nossa mente divaga entre o que aconteceu ou deveria ter acontecido no passado e o que poderá (ou não) acontecer no futuro. Planejar, ponderar de acordo com experiências passadas e criar previsões para o futuro são importantes capacidades mentais que possuímos e fundamentais para a nossa sobrevivência. Entretanto quando estamos vivendo sob estresse contínuo ou sofrimento de qualquer ordem tendemos a ficar inundados por pensamentos ruminantes sobre o passado e previsões geralmente catastróficas do futuro. Sob o peso desta pendulação tendemos a estabelecer uma relação menos adaptativa à experiência do momento, deixando de vivenciar o que realmente existe: o agora. A conclusão dos estudos citados acima é que o nosso grau de bem estar é diretamente influenciado pela atenção ao que estamos fazendo no momento presente.

As práticas envolvidas no desenvolvimento da atenção plena, – termo normalmente utilizado como tradução da palavra em inglês mindfulness -, fortalece a habilidade de nos conectarmos com o momento presente.

As práticas envolvidas no desenvolvimento da atenção plena, – termo normalmente utilizado como tradução da palavra em inglês mindfulness -, fortalece a habilidade de nos conectarmos com o momento presente. Uma habilidade natural que possuímos. Essas práticas dizem respeito a habilitar nossa capacidade de permitir estar em contato com as experiências à medida que elas surgem a cada momento. Fazendo isso de forma gentil conosco, e sem julgamentos, podemos perceber e acolher o que quer que a vida nos apresenta com uma atitude curiosa e renovada. Desta forma, podemos utilizar as experiências passadas como orientadoras de nossas ações em vez de sermos governados por estas experiências que nos tiram do contato com o momento presente. A atitude receptiva ao momento presente nos capacita a responder com consciência em vez do hábito, das reações exageradas, da compulsão. Prestar atenção conscientemente nos dá a capacidade de escolha e a escolha é o que nos proporciona liberdade e nos coloca nas mãos as rédeas de como reagimos às experiências, uma vez que estas experiências não nos é dado controlar.

Atenção, foco, bem-estar, regulação emocional, controle de impulsos e até mesmo empatia e compaixão – que muitas vezes são vistos como traços de personalidade -, são qualidades que a ciência cada vez evidencia como habilidades e, assim, podem ser treinadas e desenvolvidas. Meditação, como forma de desenvolver a consciência plena não significa esvaziar a mente ou alcançar um estado especial e tampouco é apenas uma técnica de relaxamento. Desenvolver a consciência plena através de várias modalidades contemplativas está relacionado a uma forma curiosa de lidar e explorar a vida, e isto pode ser feito de maneira natural, simples e fácil. Entender aos poucos uma nova possibilidade de fazer, ou melhor do não-fazer, pode parecer estranho para o conceito ocidental que preza o fazer mercantilista, o alcance de metas e o fazer da forma correta. Exercitar o ser no lugar do fazer durante períodos formais de prática e ir inserindo informalmente no dia a dia esta forma de lidar com a vida é libertador, traz confiança em si e na vida.

 

 

* Beto Dias

Psicoterapeuta e instrutor de Mindfulness certificado pela Mindfulness Trainings International com o Lama Jangchub Reid, possui formação nos programas da Mindful Schools e Breathworks. Formado em Experiência Somática pelo Somatic Experiencing Trauma Institute, pós-graduando em Psicoterapia Analítica Junguiana. Atua na prática clínica e facilita programas de mindfulness. Atualmente ministra um Programa de Mindfulness no Núcleo do Movimento.

betolealdias@gmail.com

Posted: maio 17, 2018 By: Comment: 0

Aula aberta de Yoga – 19 de maio

Não perca a oportunidade de participar da aula aberta de Yoga.

Instrutora: Kin Sun

Curso de Formação para Professores de Yoga do Ãtman Centro de Yoga e Psicologia.

Dia 19/05 – 08hs

Local: Auditório do NOB

A entrada é gratuita mediante inscrição prévia.

Faça a sua inscrição agora através do telefone 71 3013 5717

 

Aula Núcleo do Movimento

Aula aberta de Yoga – 19 de maio

Não perca a oportunidade de participar da aula aberta de Yoga.

Instrutora: Kin Sun

Curso de Formação para Professores de Yoga do Ãtman Centro de Yoga e Psicologia.

Dia 19/05 – 08hs

Local: Auditório do NOB

A entrada é gratuita mediante inscrição prévia.

Faça a sua inscrição agora através do telefone 71 3013 5717

 

Posted: maio 10, 2017 By: Comment: 0

Pilates é usado na reabilitação de pacientes com câncer

O tratamento contra o câncer pode provocar a sensação de fadiga e perda da força muscular, chamada pelos especialistas de astenia. Outro problema decorrente do tratamento é a depressão, comum em pessoas acometidas pela doença. Para amenizar esses efeitos negativos, a depender das condições do paciente, a atividade física é recomendada, mas deve ser feita com orientação médica.

O pilates, atividade considerada de baixo impacto e com grande capacidade de adaptação para as necessidades e habilidades de cada paciente, aparece como alternativa aos que estão em tratamento contra o câncer.

Segundo Helena Mathias, fisioterapeuta e diretora do Núcleo do Movimento Pilates & Reabilitação, em Ondina, dentre os inúmeros benefícios da atividade, estão o aumento da flexibilidade, mobilidade, capacidade circulatória e da força muscular, redução da fadiga, melhora da autoestima, relaxamento, bem estar, melhora do humor, aumento da resistência física e mental, melhora da respiração e da concentração e redução das tensões e de dores crônicas.

Essa técnica de condicionamento físico é uma ginástica livre de impactos, que respeita a individualidade e os limites de cada praticante. O método é uma mistura de técnicas orientais, que valorizam o alongamento e a respiração, com técnicas ocidentais, que priorizam a força muscular.

O Pilates já tem sido aplicado com bons resultados nos processos de reabilitação funcional, resultando em benefícios para a saúde geral, aumento de força, articulações mais saudáveis e aumento da capacidade respiratória.

O paciente com câncer que deseje praticar Pilates, no entanto, deve consultar seu médico antes de começar qualquer atividade física. Além disso, o instrutor da técnica deve ser capacitado para o trabalho de reabilitação.

Fisioterapia – O câncer é uma doença complexa que pode causar alterações físicas, sociais e emocionais. A fisioterapia oncológica é uma especialidade que tem como objetivo preservar, melhorar e restaurar a integridade funcional de órgãos e sistemas do paciente, assim como prevenir ou minimizar complicações causadas pelo tratamento médico (quimioterapia, radioterapia, cirurgia).

Procura também dar orientações adequadas aos pacientes, familiares e cuidadores, quanto às atividades rotineiras, esclarecendo mitos e verdades relativos ao período do tratamento e proporcionando aos pacientes mais segurança para encarar essa etapa de vida com mais autoestima e convívio social.

Fonte: A Tarde

Posted: maio 3, 2017 By: Comment: 0